quarta-feira, 17 de maio de 2017

Banco do Empreendedor fecha Quadrimestre com R$ 1,3 Milhão em Empréstimos Liberados


    Balanço do Banco do Empreendedor do Tocantins (BEM) aponta que 150 pessoas já foram beneficiadas, este ano, com empréstimos concedidos pelo Governo do Estado. O montante liberado já ultrapassa os R$ 1,3 milhão.
       Sobre o volume de empréstimos, o presidente da instituição, Acy de Carvalho Fontes, afirma que o trabalho é resultado da política do Governo do Tocantins de investir na geração de emprego, renda e na qualidade de vida dos tocantinenses. “Já que todo o país passa por uma situação difícil, entendemos que é importante fazer a economia girar, por isso, além de uma política cuidadosa de recuperação de crédito, temos o cuidado de fazer esse recurso voltar imediatamente para o cidadão por meio dos empréstimos”, destacou.
       A empresária Vera Noleto e a filha Flavia Noleto representam bem o perfil do empreendedor que tem crescido em época de crise por aceitar se reinventar. Já no ramo da costura e venda de roupas há mais de dez anos, ela contraiu recentemente um empréstimo no Banco do Empreendedor no valor de R$ 8 mil para repaginar o seu negócio e lançar um novo conceito em vendas e aluguéis de roupa sob a ótica do compartilhamento. As vendas, por meio do comércio virtual, são umas das novas apostas da dupla.
      O servidor público estadual também é uma categoria atendida pelo Banco do Empreendedor. O policial militar Fortunato de Oliveira Chaves é um exemplo. Em 27 anos de trabalho, conta que esta é primeira vez que precisou recorrer ao Banco para um empréstimo e ficou muito satisfeito com as condições oferecidas. “Você vê que não é um comércio, o propósito é ajudar a gente mesmo e não nos deixar endividado. Por isso, as parcelas não são estendidas e a taxa de juros é bem baixa”, comemorou o policial, que usará o recurso para auxiliar o filho que está na faculdade.
Programas
      O segmento de concessão de crédito a microempreendedores contempla o setor urbano e rural, formal ou informal, tais como: feirantes; artesãos; cabeleireiros; serralheiros; marceneiros; doceiros; sapateiros; jardineiros; açougueiros; doceiras; salgadeiras; costureiras; integrantes de associações, cooperativas e sindicatos; proprietários de lanchonetes, restaurantes, pequenos produtores rurais (hortaliças); barqueiros e barraqueiros.
    Os valores para financiamento variam entre R$ 1 mil a R$ 10 mil, de acordo com o tipo de financiamento, com as opções de investimentos em equipamentos e capital de giro. O prazo para pagamento varia de 1 a 24 meses. A taxa de juros é de 1% ao mês.
      Já para a Assistência Financeira ao servidor, os valores liberados podem variar de R$ 1 mil até R$ 15 mil, de acordo com a margem consignável do servidor e, dependendo do valor do empréstimo, o número máximo de parcelas varia entre 18, 24 e 36 meses. A correção mensal é de 1,80 % ao mês.