terça-feira, 17 de outubro de 2017

Agricultores familiares e comunidades tradicionais ajudam a difundir atividade turística do Estado

           Implementada na Bolívia, a política do Bem Viver prega que, para alcançar a sustentabilidade do planeta, os povos devem respeitar os recursos naturais oriundos da mãe natureza, também conhecida por Pachamama. O que parece apenas uma filosofia de vida dos povos campesinos dos Andes está se difundindo no continente sul-americano. Em Almas, município distante a 300 km de Palmas, a parceria entre o Governo do Tocantins, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia, Turismo e Cultura (Seden), a prefeitura municipal e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) está capacitando e empoderando comunidades para a atividade turística com o viés socioambiental.

           De acordo com a secretária municipal de Turismo e Meio Ambiente de Almas, Raquel de Macedo, os trabalhos de parceria estão ajudando a divulgar o ecoturismo na cidade, agregando o modo de vida e a simplicidade dos agricultores familiares e comunidades tradicionais com as belezas naturais da região. “Estamos apresentando um Brasil diferente. As pessoas que conhecem as belezas da nossa cidade voltam encantadas”, afirmou.

Vivência
        Distante a cerca de 70 km de Almas, na região da Serra Negra, o Vale dos Pássaros, de propriedade do agricultor familiar David Mendes Moreira, encanta não só pelas belezas que adornam o local, como as cachoeiras do Urubu Rei e da Cortina, mas também pela gentileza do aposentado de 72 anos e de sua esposa, a dona de casa Antônia Mendes de Jesus.  Morando no local desde a década de 80, o casal vive em uma pequena casa de palha protegida por sete cachorros barulhentos. A quantidade de cães, segundo os moradores é para afugentar onças que hora ou outra se aproximam da propriedade. Mas, o que poderia causar espanto tornou-se um atrativo à parte para os visitantes que mesmo sabendo da presença iminente dos felinos, denotam a preservação de Cerrado nativo. O local não tem energia elétrica e nem sinal de celular, e a água chega à propriedade por gravidade.

            De voz calma e discurso ambientalista, Seu David afirma que a humanidade precisa repensar os hábitos consumistas. “Precisamos entender que o binômio Homem/Natureza precisa ser uma obrigação, porque um não sobrevive sem o outro. As pessoas também precisam entender que não adianta ter um país de economia sólida, se não há a preservação do meio ambiente”, afirmou.
Satisfação
          Aliado ao trabalho de receptivo de visitantes na propriedade do Seu David, o condutor Gilvanê Elias Pereira dos Reis, também conhecido como Alminha, encontrou no ecoturismo uma nova fonte de renda. Com apenas 1,58 m de altura, engana-se quem pensa que ele se incomoda com a baixa estatura. Além dos trabalhos de condutor, Alminha é também eletricista, encanador, marceneiro, pedreiro e pintor. Ele confessa que foi na atividade turística que ele encontrou a satisfação pessoal. “O que mais me deixa feliz é estar em contato com a natureza. Eu respiro turismo. Me sinto 100% satisfeito, quando conduzo visitantes de todas as partes do país e até gente de fora”, afirmou.

Saiba Mais
           Localizado na região das Serras Gerais, o município de Almas possui cerca de 7 mil habitantes. A cidade dispõe de postos de atendimentos bancários, dois hotéis, um hostel em construção e três restaurantes. Com investimentos da Agência Tocantinense de Transportes e Obras, o acesso ao município se dá por rodovias estaduais restauradas e com excelentes condições de trafegabilidade. De acordo com a secretaria municipal de Turismo e Meio Ambiente, atualmente existem cinco roteiros ecoturísticos disponíveis para visitação, com previsão de abertura de novos atrativos nos próximos meses.